Rali Ilha Lilás: Não há chuva que pare os campeões!

Out 8, 2012

A 34ª edição do Rali Ilha Lilás foi fértil em emoções, mesmo se a luta pela vitória esteve apenas na mira da dupla penta-campeã açoriana, que novamente dominou uma prova de fio a pavio. Concentrados e experientes, Ricardo Moura e Sancho Eiró andaram sempre vários passos acima da concorrência, ganharam todos os troços, e preparam-se para mais um pleno de vitórias a uma prova do final da época. Depois do EVO9 azul escuro, foi Fernando Meneses a aparecer em grande na super-especial de sexta-feira, prometendo dificultar a vida aos outros elementos do Team Além Mar, no caso Ricardo Carmo e Luís Miguel Rego, ambos apostados em conseguir o vice-campeonato. Depois de um Litoral bastante complicado, e numa manhã de sábado com nevoeiro, alguma chuva e muitas armadilhas, Meneses não evitaria uma saída, danificando bastante o Impreza N12 e interrompendo o rali – que ficou atrasado 32 minutos -, com a prova a perder ali um dos pontos de maior interesse. Carmo e Rego prosseguiram uma entusiasmada luta a dois, e se o jovem micaelense teve problemas de caixa, o terceirense foi ainda mais infeliz ao ter de mudar um pneu defeituoso em pleno troço. Rego ficou à vontade no segundo lugar e Carmo caiu na tabela até 7º, vindo depois a recuperar até ao mais baixo do pódio. Ainda assim só conseguiu esse lugar porque Tiago Azevedo, que dominou as duas rodas motrizes de manhã, iria sofrer igual percalço do último troço da prova, quando já parecia entregue o terceiro lugar, depois de uma excelente prestação com o Clio R3 da OEC. Emocionante acabou por também ser a luta da Formula 3, com Artur Silva a superar claramente Marco Veredas nos troços da bacia leiteira, avançando para os percursos da zona oeste com 19,9 segundos de avanço, isto já depois de Henrique Moniz ter parado. À tarde, Veredas atacou até ao limite, mas haveria de ficar a 9 décimas (!) do quarto lugar do piloto de São Mateus, naquela que foi a disputa mais empolgante do rali. Carlos Andrade, que andou muito depressa de manhã, acabou assim por ganhar a Formula 2, com Azevedo a ficar entre o piloto do Clio Ragnotti e João Silva, o que Andrade “agradeceu” em termos de campeonato. Nuno Cintra teve uma saída de tarde que o atrasou, ficando apenas na frente dos dois Yaris, nos quais foi novamente o casal Alves a levar a melhor sobre Teófilo Pires.

O rali foi corrido sempre debaixo de uma enorme incerteza climatérica, o que colocou dificuldades à organização, aos pilotos e até ao público, que ainda assim esteve fiel, seguindo a par e passo o que iam informando as duas rádios que cobriram o evento, uma realidade que já não se (ou)via há ano e meio na Terceira. Tudo terminou já com a noite a cair sobre Angra, com as obras na cidade a mudarem a chegada para junto da Praça de Toiros, o que esse mesmo público até deve ter agradecido.

Open: O poder de Nóbrega

Na prova reservada ao “Open” foi Paulo Nóbrega a impor a lei do potente Lancer EVO6, vencendo cinco das oito classificativas corridas e terminando com quase um minuto de avanço sobre o segundo classificado, depois de comandar todo o rali. Sempre acompanhado por Miguel Ângelo, o homem da Mundo.pt ainda vai ao Pico na esperança de vencer o campeonato. Emotiva foi a luta entre os irmãos Fábio e Tiago Valadão, com o mais novo a conseguir desta feita ser o mais rápido à chegada, mesmo se Tiago venceu dois troços. O mais velho dos manos do Team Praia teve alguns problemas, mas viajará para a ilha montanha com plenas hipóteses de suceder a Tiago Mota. Depois dos Saxo Cup apareceu o Corolla GT de Jorge Sousa, para quem o estado muito escorregadio das estradas foi um natural handicap, ainda assim permitindo alguns tempos de qualidade. A fechar os cinco da frente, Tiago Mota estreou um Escort Cosworth ex-Paulo Melo e aferiu que há ainda muito a fazer na máquina inglesa, enquanto Paulo Rocha assinou uma boa prestação com o bonito AX Gti, batendo os Saxo de Bruno Silva, de Fábio Fontes e do regressado – agora em casa – Paulo Renato Silva. Manuel Pontes fechou o “Top 10″ do Open, adiante do Escort RS de Rui Rocha, do azarado Nuno Silva e da sempre presente Cecília Augusto. De salientar os abandonos de Ricardo M. Moura e de Hélder Pereira, que prometiam lutar pelos lugares da frente, com o piloto do Peugeot 106 a dizer adeus à hipótese matemática de ainda ser campeão regional. Acabou por ser uma jornada muito competitiva, com vários pilotos a assinarem tempos interessantes à geral, mas também alertando as hostes de que o futuro dos ralis passará irremediavelmente por esta categoria, sob pena de vermos as listas de inscritos reduzidas a expressões que ninguém deseja…

Tiago Azevedo venceu na Taça

Após a desistência, por despiste, da dupla Fernando Meneses/Roberto Areias, e contabilizado o tempo perdido de manhã por Ricardo Carmo e Jorge Diniz, o caminho ficou aberto para os homens das duas rodas motrizes poderem reclamar a vitória à geral na prova da Taça de Ralis Além Mar do Grupo Central, que englobava os cinco primeiros troços do “Lilás”. Tiago Azevedo/Rui Teixeira impuseram assim o Renault Clio R3, garantindo um saboroso triunfo e secundando Meneses – já vencedor da competição promovida pela Olavo Esteves Competições – na tabela final.
Segundos na prova, e garantindo o fecho do pódio geral e a vitória na F3, Artur e César Silva superaram por quase 20 segundos Marco Veredas e Miguel Azevedo, que foram terceiros com uma pequena margem sobre o Clio de Carlos Andrade/Rui Silva. Tiago Valadão/Wilson Mendes foram 8 segundos mais rápidos que Fábio Valadão/Bruno Narciso na guerra particular dos irmãos da Praia da Vitória. O furo de Ricardo Carmo atirou-o para a 7ª posição, à frente da parceria João Silva/João Pacheco, enquanto Nuno Cintra/Miguel Soares e Fábio Fontes/Paulo Vilas completaram o “Top10″ da taça. Destaque para o grande tempo de Lisuarte Mendonça (5º) no difícil troço que abriu a manhã de sábado, sendo que o AX teve depois problemas irremediáveis.
Por classes, José Patrício e António Furtado (Ford) venceram a 11 (Clássicos), Bruno Silva a 2, Carlos Andrade a 3, Ricardo Carmo a 4. Herberto Alves foi o melhor na classe 5, Artur Silva na 6, Tiago Azevedo na 7, Fábio Fontes na I e Tiago Mourão a II (VSH).

Moniz campeão…e ainda faltam dois!

Apesar da desistência ainda na manhã de sábado, Henrique Moniz garantiu os títulos do agrupamento de Turismo, Formula 3 (duas rodas motrizes até 1600 cc) e Taça dos Açores. O piloto do Citröen C2 Max não esteve feliz na Terceira, mas assinou uma temporada muito positiva, demonstrando toda a sua evolução e habituação ao carro francês. Depois de Ricardo Moura (Absoluto e Produção) e de Moniz terem ganho os campeonatos em que marcaram presença, falta ainda conhecer o vencedor do “Open”, com o Rali do Pico/Além Mar – que se corre no último fim-de-semana deste mês – a decidir entre Tiago Valadão e Paulo Nóbrega. Ainda nas duas rodas motrizes, mas na vertente da ex-Formula 2 (duas rodas motrizes entre 1601 e 2000 cc), é Carlos Andrade quem está embalado para repetir a prestação de 2011.

 

 

    Deixar Resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


    *

    Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>